29.10.11

As forças policiais em Ovar

Jornal JOÃO SEMANA (01/03/2011)
TEXTO: Dulcídio Vaz Pinto

Durante a Monarquia Liberal só esporadicamente a vila de Ovar era policiada, como nos afirma o distinto historiador Dr. Alberto Sousa Lamy na sua “Monografia de Ovar”, Volume 4, página 75, onde se refere ainda que em 1892 esteve cerca de um mês na Vila um destacamento de polícia civil de Aveiro, e que em Dezembro de 1902, requisitados pelo Administrador, vieram quatro guardas-civis da capital do distrito policiar a vila.
Na mesma publicação, diz-nos o autor que, após o 28 de Maio de 1926, vieram para Ovar dois guardas, os quais, por determinação da Intendência Geral de Segurança Pública, recolheram à sua unidade em 1931.
Fica a sensação de que Ovar ficaria sem policiamento desde 1931 a 1970, altura em que foi instalada a Polícia de Segurança Pública em Ovar. (Depreendo que o historiador vareiro não foi ao pormenor, dada a imensidão da matéria a tratar na valiosíssima obra em questão).
O “Notícias de Ovar”, de 5 de Fevereiro de 1970, em título algo tímido, de primeira página, “engolido” na euforia da grande festa carnavalesca, informou que, apesar dos longos meses de expectativa, iria finalmente consubstanciar-se uma das aspirações e necessidades duma terra populosa como era Ovar.
Tratava-se do quartel privativo da PSP, sito à rua Dr. José Falcão (antiga Rua das Figueiras), na antiga casa e armazém de vinhos do falecido Fernando Carrelhas, edifício que a Câmara Municipal havia adquirido expressamente para a instalação da Polícia. O mesmo jornal dava conhecimento de que a inauguração seria no dia 15 seguinte, às 15h30, esperando a Câmara que muitos vareiros viessem tomar parte na festa da inauguração.
De acordo com o que está escriturado na acta da sessão ordinária da Junta de Turismo do Furadouro de 13 de Julho de 1945, há sinais evidentes de que a Guarda Nacional Republicana viria também instalar-se em Ovar em data posterior. 
Na folha 14 da referida acta, foi registado que, com o “fim de facilitar à Câmara Municipal a instalação de um posto da Guarda Nacional Republicana nesta vila [a Junta de Turismo] deliberou proceder à mudança do seu arquivo para a sala das sessões da Junta de Freguesia, e ali fazer a instalação da sua sede”.

Primitivo Quartel da GNR em Ovar
Uma outra referência à actividade da Guarda na Vila está registada na Acta da sessão ordinária da Junta de Freguesia de Ovar de 29 de Junho de 1946, folha 9, em consequência do expediente da mesma Junta, que refere: “(…) Mas há conhecimento de que o requerente disse no posto da GNR desta Vila, que cada dia que perdesse do seu serviço representaria para ele um prejuízo de duzentos escudos”.
Cabo Santos
Por último, e como prova concludente da instalação da GNR em Ovar, a Ordem de Serviço n.º 3 de 15 de Fevereiro 1947 do Comando Geral da Guarda, Artigo 37.º, explicita o seguinte: “Que em 7 do corrente, foi instalado o Posto desta Guarda, de Ovar, da Secção de Aveiro, da 2.ª Companhia do Batalhão 5 (Coimbra), com o seguinte efectivo: 1.º Cabo - 1; Soldados - 7, todos de Infantaria”.
Se dúvidas houvesse, nada de mais concreto poderia validar a data da instalação da GNR na então Vila de Ovar, tendo muito provavelmente como primeiro Comandante de Posto o Cabo Santos. Este senhor manteve uma profícua actividade policial na Vila, enquanto dirigente desta força militarizada instalada em Ovar, e, muito para além das suas obrigações como comandante de Posto, granjeou respeito e admiração no seio da população ovarense, o que é comprovado pelo testemunho de pessoas dessa época ainda vivas.
Dotado de um exemplar brio profissional, e apesar dos parcos recursos da época, o Cabo Santos conseguiu resolver algumas situações difíceis. Uma delas vem relatada na página 2, de 21 de Abril de 1949, do “Notícias de Ovar”. Tratava-se de “visitas indesejáveis” (larápios especializados em furto de porta-moedas) que foram levados pelo Cabo Santos e seus valentes homens da GNR até ao comboio, precavendo alguma acção menos boa dos meliantes no mercado de Ovar.

Capela particular do Carril
(N.ª Sr.ª da Conceição)
Até no plano ecológico o Cabo Santos se evidenciou quando, segundo informava o mesmo jornal (16 de Junho 1949, pág. 2) mandou efectuar a apreensão de redes ilegais ditas de pesca, a dois indivíduos que foram apanhados em flagrante a pescar no rio Cáster, junto à fábrica de papel, situada no Casal, numa altura em que tinha sido realizado o repovoamento de peixes no dito rio.
Em 3 de Fevereiro de 1955, o jornal “João Semana” publicava na página 4, com o título “Crime Nefando”, um crime perverso e abominável cuja vítima se chamava Ana Rosa Valente da Silva, criada de servir, com 11 anos de idade, assassinada em 23 de Janeiro desse mesmo ano, sob a ponte da rua Elias Garcia, por um tal António Godinho da Silva, engraxador, já várias vezes preso por furto e tentativa de sedução, que foi rapidamente descoberto e preso pelo Cabo Santos.
Ainda na repressão à criminalidade, o Cabo Santos é referenciado e felicitado pelo “Notícias de Ovar”, de 5 de Setembro 1957 (pág. 2), pela rápida detenção, em acção conjunta com a Polícia Judiciária do Porto, de dois perigosos criminosos evadidos da cadeia de Peniche.
Aquando da visita do Sr. Ministro da Justiça, o Professor Antunes Varela, a Ovar, no dia 9 de Maio de 1959, para inaugurar importantes melhoramentos de obras públicas, foi realçado e noticiado pelo “João Semana” de 16 de Maio 1959 (pág. 3), o importante serviço que o Comandante do posto da GNR de Ovar, José Teixeira dos Santos, tinha desenvolvido na orientação do trânsito, em ordem a coordenar a referida visita.
Quartel da GNR de Ovar, situado na Rua Irmãos Oliveira Lopes
(junto à Escola Júlio Dinis)
Naturalmente outras mais acções a GNR terá executado através do distinto Cabo Santos, ainda hoje lembrado por muitos. Bem merece que o recordemos, tal como todos os homens e mulheres da GNR e da PSP por tudo o que fizeram, ao longo do tempo, em prol da segurança dos ovarenses.

Artigo publicado no quinzenário ovarense
JOÃO SEMANA (1 de Março de 2011)
http://artigosjornaljoaosemana.blogspot.com (TEXTO N.º 142) 

Sem comentários: