10.5.10

Rendas e Bordados de Ovar

TEXTO: José Maria Fernandes da Graça

Uma notícia que lemos, não vai há muito tempo, chamou a nossa atenção para uma faceta que as mulheres de Ovar sempre cultivaram: a execução de rendas e bordados. Oportunamente, daremos conta do teor dessa notícia que veio justificar o presente apontamento.
São muito vagas as fontes de informação disponíveis sobre esta matéria. Mas, mesmo assim, lá conseguimos algo.
Alberto Sousa Lamy, na “Monografia de Ovar”, pág. 32, vol. 2, sob o título “Bordados e Rendas”, refere que em 1868 os bordados em branco de Ovar “sobressaem em todo o reino”, expressão usada por João Frederico no livro “Memórias e Datas para a História de Ovar”.
Segundo Marques Gomes (“O Distrito de Aveiro”, 1877), os bordados em branco da vila “têm fama no distrito. As rendas de bilros quase rivalizam com as de Viana e Peniche”.
O Eng.º Agrónomo João Vasco de Carvalho, na sua “Monografia da Freguesia Rural de Ovar, Concelho de Ovar, no Distrito de Aveiro”, 1912, pág. 10, afirma: “Os bordados e rendas (bilros, croché, crivo, etc.) eram afamadíssimos em todo o país, chegando os bilros a rivalizar e, quiçá, a exceder as mais finas rendas de Peniche e Viana, não só pela sua sólida textura, como também pelo seu desenho artístico. Esta indústria acha-se hoje (1912) extinta”.

Em “Ovar na Literatura e na Arte”, de Zagalo dos Santos, diz-se (pp. 36/37): “Brites (D. Rosa Gomes dos Santos) natural de Ovar, onde morreu solteira com noventa e um anos, no decorrer da terceira dezena do presente século foi uma exímia bordadeira e também feitora de flores.
No tempo da sua mocidade, estas prendas eram louvadas ao máximo e quem o podia fazer com elas pejava os bragais das filhas em vésperas de mudar de estado. Em Ovar muitas mulheres faziam disso profissão e acreditaram-se pela perfeição e bom gosto dos seus trabalhos.. Por ocasião da Exposição Universal de Paris, em 1878, foram daqui enviados diversos trabalhos e, entre eles, umas lindas flores artificiais que obtiveram uma menção honrosa. Foram as mãos de D. Rosa Brites que tal fizeram e mereceram o documento emitido, por quem de direito, em 21 de Outubro de 78.
Foi exímia também, em arranjo de cestos de frutas artificiais. Bordados e flores artificiais encontram-se agora feitos à máquina em séries, não merecendo a procuram que tiveram. Em Ovar, presentemente, desapareceram as artistas dessas especialidades, por falta de estímulo e remuneração condigna”.


Adelaide Chaves, num artigo publicado no “Terras do Var”, na secção do Património, e sob o título “O Bordado de Ovar”, faz do assunto uma interessante abordagem, merecedora de atenção por parte de todos os interessados na defesa do nosso património.
Além disso, a autora apresenta sugestões que devem ser reflectidas por quem de direito, se quisermos fazer ainda alguma coisa a propósito das rendas e bordados em que a nossa terra se destacou, embora quase todos os vareiros de agora o desconheçam.
Por nos parecer de muito interesse, transcrevemos parte do referido artigo:
“(…) Na região de Ovar não é muito frequente encontrarmos esta actividade entre gente ligada à pesca. Vamos encontrar, sim, uma tradição de bordado, poderíamos quase chamar-lhe de uma “escola”, que se desenvolve sobretudo no séc. XIX e de que hoje há apenas a lembrança e as peças conservadas numa ou noutra família.
Este bordado a cheio caracteriza-se por uma profusão de pontos que o enriquecem, havendo o requinte de variar, por exemplo, a maior parte dos crivos que compunham o interior de cada flor de uma peça de bordado. Executado quase sempre em linho, era um bordado exclusivamente branco. Nada era deixado ao caso: os fios eram contados e obedecia-se ao desenho com uma minúcia rigorosa.
Havia na época numerosas “mestras” de bordar onde eram iniciadas na arte crianças desde os seis anos de idade.
Há cerca de quatro anos, contou-nos a Sr.ª Amélia Pereira de Silva, então com 85 anos, e hoje já falecida, que aprendeu a bordar aos 10 anos de idade com a Sr.ª Maria José do Máximo, que “dava mestra” de bordados. Andavam la dezenas de raparigas que depois bordavam enxovais para fora. Tiveram grande prestígio na época as irmãs Brites, cujos bordados ficaram conhecidos pela perfeição e riqueza dos desenhos, na sua maioria criados por elas próprias.
Perdeu-se por completo esta arte em Ovar. Há ainda bordadeiras profissionais, mas que não executam esse antigo bordado a cheio (…).”
Por várias razões, algumas muito especiais, estes dons das mulheres de Ovar têm para nós um significado grande, pouco vulgar. Revela, sobretudo, que têm sensibilidade para executar trabalhos de indiscutível mérito.



Ao escrevermos este apontamento apossou-se de nós um desconsolo difícil de disfarçar. Porquê? Por não encontrarmos sobre este assunto referências mais desenvolvidas que nos permitam avaliar a dimensão do nosso valor. Apenas sabemos, por dados não totalmente credíveis – pois somos parte interessada no assunto –, que nos séculos passados as bordadeiras de Ovar, Peniche e Viana do Castelo se situavam num nível bastante superior às demais de todo o país.Como explicar tal situação? Foi isso que, até hoje, ainda se não fez com o desenvolvimento e devida justificação que o assunto merece.
Não há nomes para além de D. Rosa Brites e de Maria José do Máximo, de bordadeiras, nem de quem lhes ministrava os respectivos ensinamentos. Quais os locais da vila onde se situavam as “mestras”? Esta problemática que, como outras de idêntico interesse, jaz no esquecimento de todos, tem muito a ver com a nossa identidade e com os valores das próprias mulheres de Ovar, pelo que há que encará-la a sério.
Adelaide Chaves, no artigo referido, deu algumas sugestões: a criação de um arquivo com os desenhos desses bordados, o incremento desta actividade por mulheres sem emprego fixo, e a iniciação desta arte em disciplinas adequadas das nossas Escolas.
E propôs-se recolher as notícias de peças e dados históricos relativos a este tema que as pessoas de Ovar lhe queiram transmitir.
São precisas pessoas com tempo disponível e interessadas em ajudar a recolher os elementos que existam, consideradas de maior valia.
A ser possível essa recolha –, talvez o esforço venha a ser compensador.

Artigo publicado no quinzenário ovarense
JOÃO SEMANA (1 de Fevereiro de 2003)



Rendas e bordados de Ovar
A propósito do povoamento de Olhão


Sob este título, o “João Semana” de 15 de Fevereiro passado (2003) publicou um apontamento nosso onde deixávamos antever que o mesmo seria de novo abordado, por motivo de uma notícia de que em tempos tivemos conhecimento.
Como o prometido é devido, tal como diz o conhecido ditado popular, cá estamos a desobrigar-nos da promessa.


É dado como verdadeiro o facto de os pescadores de Ovar, como aconteceu noutros pontos do litoral, terem estado na origem do povoamento de Olhão, em simultaneidade com pescadores de Ílhavo.
A propósito deste assunto, a que damos grande importância, vamos transcrever uma passagem de um estudo do Alberto Iria, historiador olhanense, que afirma:
Segundo Ataíde e os seus continuadores, os primeiros habitantes do sítio de Olhão seriam oriundos do “distrito de Aveiro, talvez da freguesia de Ovar ou de Ílhavo”, porque “em nenhuma praia algarvia se encontram pescadores mais audazes, com melhores disposições para a grande faina do mar e que se possam aproximar dos pescadores de Olhão”, o que mostraria descenderem estes “de raça diferente dos restantes pescadores algarvios, talvez dessa raça arrojada no mar, conhecido pela raça pelágica”; as características físicas, psíquicas, morais e intelectuais dos olhanenses são em tudo semelhantes às dos ovarinos e ílhavos; as rendas de bilros, obra-prima das mulheres de Ovar, no Algarve só as fazem com igual perfeição as mulheres de Olhão.
E disto, só disto, que nem sequer prima pelo rigor e comporta muitos exageros e algumas inexactidões flagrantes, concluem que uma colónia de ovarinos e ílhavos se teria estabelecido no sítio que depois foi conhecido por Olhão, aí por alturas dos séculos XVI e XVII, quando a povoação ainda nem sequer existiria, dando origem ao aglomerado de Cabanas que, a partir de então, começaria a crescer vertiginosamente, para se converter, em breves anos, numa das mais populosas e mais importantes vilas de Portugal inteiro.



Ora, não se pode pôr realmente em dúvida que ovarinos e ílhavos, em maior ou menor número, se tenham fixado em Olhão a partir de certa altura, e isto não tanto por quaisquer pequenas semelhanças físicas, psíquicas e morais, ou de costumes, entre os olhanenses e os naturais de Ovar e Ílhavo, mas por que ainda hoje existem naquela vila algarvia numerosos ílhos (que assim, e pelo menos até há pouco tempo, chamava ali o povo ílhavos aos seus descendentes) quer entre a população terrestre quer entre a marítima, isto é, entre a que vive em embarcações surtas no porto.
Mas, põe-se em dúvida que tenha sido gente de Ílhavo e Ovar a primeira e a principal povoadora do Sítio de Olhão, até porque os primeiros ílhavos ovarinos, como mostrou o mesmo Alberto Iria, só para ali podiam ter ido, ou é lógico que fossem, depois de o Marquês de Pombal ter mandado vir gente do norte para povoar a sua então recém-criada Vila Real de Santo António. Nessa altura, já Olhão era uma próspera aldeia, com mais de dois mil habitantes.

Há no estudo em questão mais referências a ovarinos e ílhavos, todos interessantes, mas a que mais nos prendeu a atenção foi aquela a que refere a reconhecida capacidade das mulheres de Olhão para a execução de rendas de bilros, em completo contraste com as mulheres de todo o restante território algarvio. Isto vem demonstrar, a priori, que há, realmente, sinais muito evidentes de no povoamento de Olhão estar envolvida gente de Ovar.
Não há dúvida de que temos descurado a pesquisa de elementos que possam demonstrar, com toda a evidência, o importante papel que os vareiros tiveram no povoamento de outras localidades, especialmente junto ao litoral.
A quem caberá esta missão?

TEXTO publicado no quinzenário ovarense
JOÃO SEMANA (1 de Maio de 2003)

Sem comentários: