15.7.08

A antiga Capela do Senhor da Piedade

Antiga Capela do Senhor
da Piedade
Jornal JOÃO SEMANA (01/08/1994)
TEXTO: Mário Miranda

O nosso amigo António Valente de Almeida, conhecedor de muitos factos passados no Furadouro, entregou-nos, a este respeito, alguns apontamentos de interesse que os seus antepassados lhe deixaram e que procuramos divulgar no nosso jornal.


Perde-se no tempo a devoção dos vareiros ao orago do Furadouro, Senhor da Piedade, em cuja honra foi erguida, no século XVII, uma capela, que foi o ex-libris da nossa terra, a qual saudosamente recordamos e que está documentada em fotografias de várias épocas.
Situava-se na parte mais alta do Furadouro, no cimo de uma duna, frente à que é hoje a Avenida Central [ver foto], num largo que se chamou D. Maria Pia e, depois da República, Largo Machado Santos.
O pequeno templo tinha a forma de um cubo, e era encimado por uma abóbada, toda pintada de branco, com uma porta ogival voltada para o mar.
Dizia-se que neste mesmo sítio – ou mais dentro do areal – existiu uma outra ermida, mas em madeira.
O Senhor da Piedade era representado pelo Cristo Crucificado, em pedra, com 1,20 m, e metido na própria parede, formando um nicho.



Furadouro - Ovar

Em 1882 foi-lhe acrescentada uma sacristia a sul e feitas obras de restauro, a expensas dos beneméritos Manuel Oliveira Manarte e Joaquim Valente de Almeida, ambos proprietários da Empresa de Pesca Senhora do Socorro.
Era um marco para a navegação. À noite, uma grande lamparina fazia sair a luz através de dois grandes orifícios que existiam na porta, funcionando como farol.
Em 1924, a Câmara mandou arrasar a duna, com o fim de fazer um adro e, ao mesmo tempo, construir um miradouro. Só que as obras não passaram das intenções. E a falta de areia deu origem a que tivessem de mandar fazer uma escada de madeira de emergência, com dois metros de altura, para acesso à capela…
Nova decisão errada tomou a Câmara em 1935, da Presidência de Pacheco Polónia, ao mandar fazer um enorme varandim, em cimento armado, com suportes apoiados na capela…
Todas as previsões técnicas admitiram que a derrocada podia acontecer a qualquer momento. Esse era, aliás, o vaticínio da maioria do povo, que se apercebia de que a ermida não tinha resistência suficiente para aguentar tamanha carga.
Tal como se previa, na manhã de 1 de Fevereiro de 1939, à vista de muita gente, a capela desmoronou-se, não aguentando a fúria das vagas. Da hecatombe salvou-se apenas a imagem de São Sebastião, hoje na capela nova, e a fotografia de uma Comissão das Festas do Mar de 1917, que se encontra no Museu de Ovar.
Da imagem do Senhor da Piedade não houve mais notícia. Mas é certo que não anda longe, sepultada na praia que todos pisamos.
Era o Senhor da Piedade lugar de peregrinações quando havia secas, epidemias, naufrágios, nevoeiros, etc. O seu sino avisava os pescadores que labutavam no “nosso” mar quando se dava a aproximação de temporais ou a alteração repentina de ondulação, ou quando o espesso nevoeiro lhes escondia a terra.
O constante badalar despertava a atenção dos habitantes do Furadouro, que iam, aflitos, ao “Alto”, como então se chamava ao local, para saber o que se estava a passar.


Do templo, e para além das recordações daqueles que, como nós, ainda o viram, restam fotografias como a que reproduzimos.
Antes de terminar, queremos deixar aqui a discordância de António Valente de Almeida em terem dado à Paróquia o nome de S. Pedro, quando deveria ter sido o de Paróquia do Senhor da Piedade. Era uma justa homenagem ao antigo titular da Capela e a única maneira de não se esquecer o venerável monumento que o mar, infelizmente, tragou para sempre, e que veio a ter, como substituto, um pouco a norte, a Capela da Senhora da Piedade ("Capela Nova"), também desaparecida nas águas do mar.

Artigo publicado no jornal JOÃO SEMANA (1 de Agosto de 1994)
http://artigosjornaljoaosemana.blogspot.pt/2008/07/antiga-capela-do-senhor-da-piedade.html

Sem comentários: