18.5.08

Fontes que choram de mágoa

Jornal JOÃO SEMANA (15/11/2002)
TEXTO: Fernando Pinto

A cidade de Ovar, para além do Carnaval e do famoso Pão-de-ló, também é conhecida por ser um Museu vivo do Azulejo.
Encontrámos, há dias, muitos painéis de azulejo num pranto que metia dó. Não, não foi numa dessas fachadas que acabam por ir abaixo depois de lhe serem retirados os cobiçados ladrilhos… Foi na fonte situada na Rua Dr. João Semana, perto das Luzes, fonte que agora está seca e cuja água conspurcada apenas sacia a sede ao lodo.

Fonte, que choras de mágoa,
Como tu é a dor do Mundo.
Começa num fio de água
E acaba num mar profundo.


Lindos versos, os que se encontram na quadra que faz companhia à fonte. Só é pena estarem, também eles, ao abandono, tapados por um mar de silvas, como se pode ver na foto.
Quem é que pode fazer alguma coisa pela frescura das fontes vareiras? Faltam ideias para acabar com este desmazelo? Que não seja por isso: primeiro, começávamos por limpar as silvas e o lixo ali depositado. E não é assim tão pouco! As quadras tornar-se-iam, deste modo mais legíveis, não tão “picantes” para quem as quisesse ler com os olhos e não com o auxílio das mãos desprotegidas.
Depois limpávamos os granitos, substituíamos as pedras partidas, picávamos a parede e colocávamos argamassas novas. Os azulejos que estivessem danificados seriam trocados por réplicas e procederíamos ao restauro dos “quase sãos” no próprio local, caso o cimento-cola que os segura deixasse, é claro. (É um erro colá-los com este material, porquanto a remoção torna-se, depois, quase impossível).
Para que não viesse a acontecer um acidente, principalmente com as crianças que se aproximam das nossas fontes, colocaríamos um gradeamento de ferro forjado, desse que embeleza algumas varandas vareiras. É que o perigo espreita a todo o instante… Depois, era só deixar a água correr. O resto dos procedimentos deixamo-los para quem sabe…
Fica aqui o nosso alerta para que olhem um pouco mais pelo nosso património.

Artigo publicado no jornal JOÃO SEMANA (15 DE NOVEMBRO DE 2002)
http://artigosjornaljoaosemana.blogspot.pt/p/textos-editados-neste-sitio-172.html

Sem comentários: